Feeds:
Posts
Comentários

Archive for março \22\UTC 2017

F do Esp

Esta palavra aparece em três citações bíblicas: Lc 23: 43 – 2Co 12: 4 – Ap 2: 7 Lc 23: 43 diz: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso” – Era Jesus na cruz respondendo o pedido do ladrão a seu lado para que se lembra-se dele em seu reino. 2Co 12: 4 diz: “E foi arrebatado ao Paraíso” – era Paulo apóstolo, revelando um dia ter sido arrebatado ao terceiro céu ao qual se traduziu paraíso. Ap 2: 7 – “Ao que vencer , dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do Paraíso de Deus” – Jesus na carta aos efésios falando sobre ouvir o que diz o Espírito as igrejas e incitando a perseverança na fé.

Paraíso – Um jardim (gan gr), paradisíaco preparado por Deus em Gn 2: 8, um cercado na terra, onde viveu o primeiro casal, Adão e Eva até pecarem e serem expulsos dali, por terem quebrado a harmonia que tinham com Deus. Como o jardim onde Deus pôs o primeiro homem conforme Gn 2: 15, o qual vivia em plena harmonia com o Criador, era um lugar maravilhoso e cheio de paz, se tornou sinônimo de céu, ou seja, o lugar até dimensional onde Deus habita e para onde todos anseiam ir viver eternamente após a morte física. A Bíblia porém não chama o lugar eterno e celestial para os salvos como sendo “Paraíso”.

Quando o apóstolo Paulo menciona a palavra “paraíso” em 2Co 12: 4, para revelar que havia ido ao “terceiro céu”, cujo nome é “esporanios”,(habitação de Deus), ele cita o termo “Paraíso” para identificar para os coríntios este local celestial para onde fora trasladado, não sabendo se em corpo ou em Espírito, porque o lugar já era assim conhecido na mente e concepção deles desta forma.

Quando Ap 2:7 fala do “Paraíso de Deus” a aqueles que vencerem, se refere ao jardim feito por Deus e que originalmente estava na terra, e a ênfase está no voltar a comer da “árvore da vida” que estava em seu centro, e da qual só quem era eterno podia comer, o pecador não podia, como está esclarecido em Gn 3: 22 e 23. O vencedor volta então ao estado original tendo seu pecado tirado por Jesus, e este é o foco da promessa ao final da carta, a restauração e volta a harmonia.

Agora a citação mais polêmica a de Lc 23: 43, que causou até mudanças na forma de interpretar o texto bíblico original por parte de alguns seguimentos, tentando o o compatibilizar e assim justificar posições doutrinárias dogmatizadas. Jesus está na cruz e a seu lado o chamado “bom ladrão” por o defender, e que lhe pede que: “se lembre dele ao entrar em seu reino”, mostrando crer nele como rei. Como Jesus lhe respondeu que: “ainda hoje estariam juntos no Paraíso”, e entregou a sua vida naquele mesmo dia, originou-se daí toda a polêmica.

Se Jesus ficaria no ventre da morte por três dias, como ficou, como poderia estar naquele mesmo dia com o ladrão no Paraíso ou seja, no céu? Veja que a confusão está em torno do nome “Paraíso” apenas, pois muitos o tem como sendo o céu onde Deus habita o qual na verdade é chamado por “terceiro céu ou esporanios” no grego e não Paraíso, o qual era o jardim na terra.

Como dissemos cada um coloca o “paraíso” onde o imagina ser. Os judeus tinham o paraíso como sendo o “seio de Abraão” no hades ou seol, Lc 16: 22 a 24, o lugar dos mortos, ou onde os mortos salvos esperavam a libertação de Hb 2: 14 e os mortos perdidos já sofriam as dores do local de tormentas. E se foi essa a forma de aplicação feita por Jesus, levando em conta ser o bom ladrão um judeu que assim pensava, tudo fica claro, pois é dito que Jesus ao morrer desceu ao hades, ou as partes mais baixas da terra, onde libertou os cativos do “seio de Abraão”, e subiu levando cativo o cativeiro conforme Ef 4: 8 a 10. Jesus não entrou no céu onde Deus habita naquele dia, mas no Paraíso do hades, como acreditava o bom ladrão o qual por sua fé revelada quando ainda vivo na cruz, ganhou de Jesus o direito a salvação e a promessa de estar no Paraíso, o seio de Abraão com ele ainda naquele dia, como ocorria a todos os que viviam na lei antes da morte e ressurreição de Jesus.

Após a sua ressurreição, ao terceiro dia, Jesus ficou ainda quarenta dias na terra, como vemos em At 1: 3, se manifestando entre os discípulos, e só após é que subiu aos céus onde Deus habita, conforme está em At 1: 9, em sua ascensão. Por outro lado, a promessa feita ao salvos da graça para a eternidade está em Ap 21: 1 a 27, que é viver eternamente na cidade quadrangular, a Jerusalém celestial, tabernáculo de Deus com os homens, e se você crê que este é o “Paraíso eterno” para você, persevere então até o fim para estar eternamente nele e toda a sorte.

Pense: “Estar no céu em harmonia com Deus, e estar no Paraíso, seja onde for”. Nábulus, pensador cristão.

Anúncios

Read Full Post »

digitalizar0002

“40 Porque assim como esteve Jonas três dias e três noites no ventre da baleia, assim o Filho do Homem estará três dias e três noites no coração da terra”.

Esta é a única citação da “baleia”, como sendo o animal tido como o “grande peixe” que engoliu a Jonas. Hoje sabemos que a baleia não é um grande peixe, mas sim, um grande mamifero aquatico, isto na nossa atual classificação zoológica feita por Carolus Linneaus – 1707 a 1778, portanto muitos anos após a criação narrada na Bíblia e cuja finalidade e faciliatar o estudo pelo homem, de toda a fauna que habita todo o mundo.

Baleia = Monstro marinho, baleia, peixe imenso, (Strong). Afinal era um grande peixe ou uma baleia? Esse é um motivo que é polêmico entre os cristãos e muito usado pelos descrentes para negar a veracidade e sabedoria da Bíblia. Lembramos que os pensamentos de Deus não são os nossos, Is 55: 8, e que Deus criou cada ser conforme a sua própria espécie conforme diz Gn 1: 24 e 25, com propósitos definidos e não visando harmonizar-se com com a nossa classificação zoológica.

Veja que para Deus o que voa e ave como está em Lv 11: 13 e 19, ou então temos que admitir que Deus que criou o morcego conforme a sua espécie, não sabia que ele mamava ao nascer e que era um mamífero, o que seria incoerente. O mesmo Deus que criou o ovo criou os mamiferos, os repteis, os peixes, etc., sabe a origem de todas as coisas. Deus não precisa da classificaçóes humanas para entender a sua criação? Onde estão nela o beamote, o basilísco, o unicórnio, o leviatã, etc.? Deus é quem os cita na Bíblia, nos só supomos supomos o que eles sejam.

Por outro lado, a citação da baleia só aparece em Mateus, nas outras citações aparece um “grande peixe”. Mas na verdade, isso seria insignificante, diante do tremendo sinal que foi operado pelo animal que Deus deparou para que engolisse a Jonas, e que o vomitasse no mar, que produziu um resulatdo que teve o poder de converter a todos os descrentes de Nínive, enorme cidade, cuja única citação estava na Bíblia, antes de sua descoberta arqueológica. Se era uma baleia ou um grande peixe isso é irrelevante diante do tremnedo resulatdo que produziu. Seja qual for o animal, Deus salvou com ele uma cidade inteira e até os seus animais. Seja qual for o animal, bendito seja, isto por ter servido os propósitos de Deus.

cláudio pinto pr

Pense: O que é mais importante: a salvação de uma cidade inteira ou a classificação zoológica correta do animal que engoliu a Jonas e o vomitou na praia? Nábulus, pensador cristão.

Read Full Post »

O fio de prumo

Traje

O mundo enlouqueceu, a lógica se perverteu e o normal hoje é o bizarro, e mesmo tendo o dom do arbítrio aos poucos vamos perdendo a consciência do que é certo e do que é errado, e entendendo ser o absurdo coisa absolutamente normal. Nos anos 60 um famoso grupo musical, trocou o fazer sucesso pela incumbência de em troca disseminar por todo o planeta a frase: “Está todo mundo louco”. Tiveram todo o êxito e a repercussão foi global, tempos depois essa loucura cobrou seu preço e ceifou a vida ainda jovem de um de seus principais ídolos.

Nessa loucura assoladora de hoje, pais matam filhos, filhos matam pais, bandidos são tratados com honras e garantias e vítimas desprezadas e esquecidas, o trabalhador é explorado, e explorador é admirado, o justo é tido por torto e o torto é tido por justo, e como dizia o chacrinha, o mundo vai caminhando “na mais perfeita confusão”. Na verdade, de tanto alterar os pesos, perdemos o chamado “fiel da balança”, e ninguém sabe mais onde está o prumo da justiça e da verdade.

Veja que, antes o marqueteiro elegia o estadista, hoje o marqueteiro se elegeu no comando do estado, e isso na maior nação do mundo. O prêmio Nobel era dado a categorias definidas onde pessoas se destacaram em suas áreas de atuação a favor da humanidade. Essa regra foi quebrada quando o prêmio de “literatura” foi dado há um “compositor musical”, que afora suas qualidades natas em criar longas letras para suas músicas, não se enxerga como sendo um escritor.

E o mais irônico é que o prêmio além do prestígio, traz ainda em seu bojo uma notável recompensa financeira como incentivo as pesquisas, e sua festa de entrega tem repercussão global. Acreditem se quiser, o premiado não compareceu a festa alegando que tinha coisa “mais importante” a fazer no dia da premiação, tão pouco agradeceu a honraria. Talvez possa ter se sentido um tanto constrangido por ocupar um lugar que pela lógica deveria ser de um literato, sei lá. Mas tudo faz parte desse mundo louco, insano, sem senso e dominado de hoje.

No Brasil, um goleiro julgado em júri popular e condenado a 22 anos de cárcere e já preso há seis anos, é solto porque o ritual de sua prisão não foi cumprido a risca, mostrando que mais vale o rito que a justiça, e que a burocracia sumaria é mais importante que a verdade. Não importa o que se fez, mas importa como se fez e a forma acaba por anular a cruel e trágica realidade dos fatos.

Sobre a insanidade há uma imagem fortiíssima em Am 7: 7 e 8, que diz: Mostrou-me também isto: “eis que o Senhor estava sobre um muro levantado a prumo; e tinha um prumo na mão; O Senhor me disse: Que vês tu, Amós? Respondi: Um prumo. Então, me disse o Senhor: Eis que eu porei o prumo no meio do meu povo de Israel; e jamais passarei por ele. Zac 4:10 diz: Pois quem despreza o dia dos humildes começos, esse alegrar-se-á vendo o prumo na mão de Zorobabel”, Aqueles sete olhos são os olhos do Senhor, que percorrem toda a terra.

Em Cristo, Deus trará de volta o fio de prumo da verdade e da justiça, e aferirá o fiel da balança, e findará a louca sabedoria dos sábios e porá toda a terra de novo a prumo, e a loucura do mundo perecerá 1Co 1: 24 e 25, e a sabedoria dos loucos será eterna, conforme 1Co 1: 27 a 31.

cláudio pinto pr

Pense: “E ali haverá um alto caminho, um caminho que se chamará o caminho santo; o imundo não passará por ele, mas será para aqueles: os caminhantes, até mesmo os loucos não errarão”, Is 35: 8.

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: