Feeds:
Posts
Comentários

Bat Jo V

Creio que este assunto é e será sempre um divisor de águas entre a salvação e a perdição. Mesmo Jesus teve grande dificuldade em conscientizar os judeus que o ouviam dessa realidade que é a ressurreição, pois engloba duas esferas, a material e a espiritual. Os discípulos tiveram dificuldade em entender, já os judeus nunca creram e nem entenderam, até hoje, a ressurreição de Jesus, veja Mt 28: 11 a 15.

Como convencer a pessoas que morrem deste de o início da humanidade, e que nunca viram ninguém voltar da inexpugnável morte, que seja possível que após a morte alguém possa voltar dela e reviver? Como crer naquilo que nunca se viu? Jesus foi sempre repetitivo nos evangelhos ao falar sobre esse assunto, e sempre que falava gerava forte dúvida entre os discípulos que o arguiam depois ou se calavam sem nada ter entendido. Esta falta de entendimento dos discípulos ficou clara pela reação de cada um deles após a morte e ressurreição de Jesus, que lhes causou surpresa, conforme Jo 20: 1 a 10 – Mt 28:17 – Mc 16: 14 e Lc 24: 12.

E nós hoje como igreja cremos mesmo na ressurreição de Jesus? Pode parecer uma pergunta insensata, mas se fizermos hoje uma pesquisa para levantar o grau de conhecimento das igrejas sobre o assunto ressurreição, eu creio que ficaríamos surpresos e espantados com o resultado, e não falo somente em relação aos membros ouvintes, mas aos líderes que deveriam ministrar a eles o tema. O que se busca hoje são as riquezas e as bênçãos materiais desta vida, veja 1Co 15: 19. Se você entende, ressurreição não é morrer e voltar a esta vida miserável para morrer de novo, antes é viver ressurreto e entrar na vida eterna vivo eternamente.

Aquilate pelos programas evangélicos atuais que pouco se fala sobre o assunto, pois o natural e se fugir do que não se entende e nem se pode explicar. Entre ficar sem ter resposta e se omitir, é muito mais inteligente a omissão. Muito melhor é falar das agruras do dia a dia que a todos afeta, e para as quais temos múltiplas soluções e sugestões de saída, ainda que sejam meras estratégias humanas, mas, que já testadas sabemos darem sempre bons resultados e bom retorno.

O dilema é que a carne é o sangue não herdam o reino do céu, 1Co 15: 50, e sem a transformação da mente, Rm 12:2, ninguém pode sair da carne para viver no Espirito e sem crer na ressurreição como viver hoje uma vida ressurreta de transformação mental e física? Como ser hoje uma igreja ressurreta sem crer na ressurreição e sendo nela preparado para viver sob as benesses desta vida?

“Eis aqui vos digo um mistério: na verdade nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados”, 1Co 15: 51 e 52. Sofra a transformação, deixe que o Espírito o transforme, dia a dia, de glória em glória, na mesma imagem daquele que o criou, conforme 2Co 3:18, fique alerta, viva como um ressurreto, pois se o que o mundo te oferece parece bom veja o que diz Paulo em 1Co 2: 9: “As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam”. Almeje a ressurreição e a vida eterna e não as glórias deste mundo que tem dia marcado para findar, veja, 2Pe 3; 10.

cláudio pinto pr

Pense: “Se tudo acontece num piscar de olhos, mantenha hoje os olhos abertos”.

Anúncios

URNA eletrnc 2

As eleições estão às portas e para muitos a pergunta é esta. Porque é que não nós sentimos representados por aqueles que elegemos, os quais, salvo raras exceções, antes eram nossos amigos e após eleitos, se transformaram em nossos piores inimigos. Creio que nunca houve tanta indecisão por quem se deva eleger, e tanto descrédito em relação aos candidatos.

Na verdade, o que falta ao país é o temor a Deus, pois um homem sem temor e sem fé se torna irracional, é tende a perverter a moral e corromper os bons costumes, perdendo ou abandonando princípios e deixando de crer que um dia terá, crendo ou não, que se assentar diante do “grande trono branco” para responder por todas as suas ações no dia do juízo final boas ou nefastas, como está narrado detalhadamente em Ap 20: 11 a 15.

Este juízo, começa com uma terrível surpresa ao dizer: “E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles, Ap 20: 11. Tudo o que o homem confiava desaparece diante dele, até mesmo o céu e a terra e ficam somente Criador e criatura, frente a frente, para o acerto de contas e o ajuste final. Qual a chance do réu, diante do Criador que ele negava e assim nunca temeu? A sua vida passará como um filme diante dele sem nenhum filtro para cobrir as mínimas coisas e tudo estará patente diante daquele com quem o homem pecador terá que tratar, Hb 4: 13. quais serão os seus argumentos e quem o ajudará? Viveu nababesca e deliciosamente e agora constata que seu nome não está escrito no livro da vida do Cordeiro, o único que o poderia livrar, Ap 20: 15. As suas obras é que o julgarão, portanto, sem chances.

O ideal é que existissem candidatos tementes a Deus e a seu juízo, que temessem mentir e que fossem fieis a seus próprios princípios, e que se eleitos jamais se desviassem das metas a que se comprometeram seguir, e jamais agissem como fez Judas Iscariotes, traindo aqueles que neles confiaram . Como seria fácil votar numa condição destas, nem seria necessário o voto ser obrigatório, pois todos ansiariam por escrutinar a seus eleitos. Também não ocorreria como vimos acontecer, as varias tentativas dos eleitos em solapar a democracia e amordaçara a imprensa, para poderem aparelhar as instituições e usufruir do bem público as ocultas, fato que não propuseram ao serem eleitos e nunca foram um anseio do povo que os elegeu, mas que executaram com toda a astúcia e maldade possível, veja Pv 22: 22 e 23.

Vivemos num país abençoado por Deus, que tem tudo que é natural para ser a maior nação do mundo, e ter uma economia pujante, mais que é governado por gigantes, os quais consomem os seus moradores, Nm 13: 32. Estes não sabem escolher entre o bem e o mal, optando via de regra, pelo mal e pelos maus, trazendo sobre si mesmos as maldições divinas, e nunca progredindo e nunca chegando ao tão decantado progresso do amanhã como nação, Todas as autoridades foram postas por Deus, ainda que não creiam, e prestaram contas a Ele, Rm 13: 1.

Que bom se um milagre acontecesse e caísse repentinamente o temor de Deus sobre a nação e se cumprisse sobre nós o que está em 2Cr 7: 14 e 15 : “E se o meu povo que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar e buscar a minha face e se converter de seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra”, agora estarão abertos os meus olhos e atentos os meus ouvidos a oração deste lugar”. Que bom se todos os que se dizem evangélicos, em especial os políticos, realmente o fossem, ajudaram a mudar a mente dos degenerados, e teríamos uma eleição de qualidade onde iriamos as urnas cantando e dando graças a Deus, por ter tantas opções magnificas e excelentes, e lamentando ter tão poucos cargos para preencher como nosso voto espontâneo.

Por enquanto, você que teme, ore e abençoe Israel, pois está escrito, “abençoarei os que te abençoarem, e assim esteja sob ti as bênçãos divinas do Senhor e Ele as traga sobre a nação. Ore e peça a Deus direção para votar conforme a sua vontade para a nossa amada nação a qual é a melhor para todos, orando como em 1Tm 2: 1 e 2.

Cláudio pinto

Pense: “votemos com temor, para que amanhã não venhamos a nos arrepender do voto que fizemos”. Nábulus, pensador cristão

 

As 2 Arvs

Existe questões levantadas por leitores da Bíblia, em geral descrentes, que a interpretam de forma histórica apenas e assim não conseguem alcançar as coisas espirituais e perguntam de forma irónica e até com suspeição : Porque Deus não queria que o homem pudesse adquirir sabedoria?” Na verdade suspeitam que Deus tivesse algum motivo oculto para temer isso. Não se apercebem que seguindo este raciocínio insidioso, se cumpliciam a serpente repetindo a mesma suspeita levantada por ela contra Deus em Gn 3: 5.

No jardim existiam muitas árvores e todas eram boas e frutíferas e Adão podia comer delas “todas livremente”, até mesmo da árvore da vida, citada em Gn 2: 9, sem haver nenhuma restrição, por serem todas benéficas a ele. A suspeição maligna impede que a bondade de Deus em colocar tantas árvores frutíferas e boas a disposição do homem seja vista, e só se possa enxergar através de uma visão maliciosa e contaminada pelo mal.

A resposta é obvia: Deus só proibiu comer de uma única árvore do jardim, justamente por que sabia que ela era maligna e continha o conhecimento do mal, que o homem não tinha em si ao ser concebido e criado, Gn 1: 31. Ela trazia em seu fruto a morte, devido ao pecado da desobediência e a posterior transgressão . Deus só permitiu aquela árvore no jardim para mostrar ao diabo que não impedia o homem de pecar e de desobedecer, porém o mínimo a fazer seria o advertir do perigo em adquirir o conhecimento do mal, ao comer do fruto da tal árvore. Portanto, Deus só o prevenia contra o adquirir o conhecimento do mal o qual só lhe traria perdas. Hoje o mal domina a toda a humanidade conforme está em 1Jo 5: 19.

Essa pergunta é inspirada pela mesma serpente que enganou a Eva, que após induziu a Adão a que também comesse do tal fruto maligno e por isso proibido. A única lei que Deus colocou no jardim foi desobedecida e por isso houve a transgressão citada em Rm 4: 15. O conhecimento do mal entrando no homem pelo pecado, Rm 5: 12, daria início ao processo de degeneração física de suas células pela oxidação, que envelheceriam e desencadeariam na morte que está em Gn 2: 17, citada como o “morrendo morrerás”. Esse mal após passaria a todos os homens conforme Rm 5: 12, pois Adão era o ancestral único e inicial da raça chamada humana e geraria a partir daí, filhos a sua imagem como está em Gn 5: 1 e 2, o que acabou ocorrendo e explica o porque de tanta malignidade na história humana.

Deus é o criador da vida, é Deus de vivos e não é de mortos, conforme diz Jesus em Lc 20: 38, criou o homem para viver e não para morrer, Adão escolheu conhecer o mal e morrer, e infelizmente o mal predomina no mundo até hoje 1Jo 5: 19. Quando você chorar a morte de seus queridos lembre-se: foi a serpente quem introduziu a morte no mundo e não Deus, a quem normalmente todos culpam em especial os sem o devido conhecimento.

Deus , em sua infinita bondade, não desistiu de seu plano de Gn 1: 27, de ter como seu auxiliar o homem Senhor e dominador da terra, o qual seria a sua imagem e semelhança, e se tornaria imortal o que já foi consumado em seu Filho Jesus Cristo, o último Adão de 1Co 15: 45, o qual trouxe de volta a vida eterna a quem o recebe e crê naquele que o enviou, Jo 5: 24.

Deus quer que o homem viva ainda hoje, e não se vingou do homem pela falta de fé e pela desobediência , antes, enviou seu Filho Jesus para que pela sua morte em pagamento do preço do pecado desse vida a todos que nele cressem conforme Jo 5: 24. Jesus tem vida em si mesmo como o tem o Pai, e a pode dar a todos os que o recebem como sendo o seu Salvador pessoal, pois pagou o tal preço por todos ao dar a sua vida na cruz, conforme diz Jo 5: 26.

O homem pecador, e sem harmonia com Deus, foi lançado fora do jardim de volta a terra da qual fora formado, para a lavrar como um servo conforme Gn 3: 23, e sem poder comer da “árvore da vida”, Gn 3: 23 e 24. O homem está até hoje espiritualmente morto e morrendo fisicamente a cada dia. A morte é algo que o homem entende como inevitável , mas não a aceita, pois lhe é alheia, pois não foi criado para morrer. O homem mortal precisa de alguém que o ressuscite espiritualmente para que possa ser eterno, e esse alguém é Jesus Cristo.

Jesus é o homem a imagem e semelhança de Deus o Pai, Jo 10: 30, e o Senhor, e tem todo poder no céu e na terra, Mt 28: 18, e tem as chaves da morte e do inferno, Ap 1: 18, e da vida a quem quer viver eternamente conforme Jo 6: 40. Você quer viver? Torne-se Filho de Deus em Jesus Cristo e viva eternamente. Jesus é hoje a árvore da vida no meio do jardim que hoje é a sua igreja, conforme Mt 16: 18. Coma desse bom fruto e dê frutos também.

Pense: “Se você que ser nova criatura, Jesus é o autor da nova criação de Deus, Cl 1 14 a 16”, deixe que Ele te recrie para que sejas eterno.

cláudio pinto pr

 

MM 2017 -   M f do m

Quando ocorreu a fundação do mundo citada em Mt 25: 34 e Ap 17:8 e 24 por exemplo. Muitos confundem os termos, “terra e mundo” como se fossem sinônimos, mas não o são. Terra é o nome dado ao planeta em que vivemos, e que existe muito antes que os seres humanos fossem criados e se multiplicando ocupassem muito de sua superfície onde estão também todos os animais e onde estão também os oceanos. Antes do homem existir , o planeta terra girava solto no espaço ao redor do sol, ninguém ainda imaginava que um dia em seu deslocamento carregaria sobre si o homem e seu maligno sistema chamado mundo.

Mundo, se refere somente a humanidade, a um sistema político, social, religioso, filosófico e econômico, que nada tem a ver com Deus, Jo 17: 14 e 15, e 1Jo 2: 15 a 17. Deus queria que o homem em harmonia com Ele enchesse a terra de filhos santos e abençoados e que fossem a imagem e semelhança dEle o Criador, Gn 1: 28, e esse sistema não se chamaria mundo, seria o “paraíso na terra”. Esse era o plano de Deus em harmonia com Adão e sua companheira Eva, antes do pecado. O mundo existente hoje é perverso, não sendo um projeto de Deus.

O mundo teve início no dia em que o homem pecou se cumpliciando com a serpente, e sendo expulso do chamado jardim, (paraíso) conforme Gn 3: 23 e 24. Ali vivia em harmonia com o Criador, e saiu para viver a sua própria vida, agora independente dEle e fora do Paraíso no Éden. Nesse dia, e com o casal Adão e Eva em pecado, se iniciou o sistema que conhecemos como “mundo”, no qual predomina o mal o qual tem domínio sobre a humanidade , veja isto em 1Jo 5: 19, e no qual todos nascem a imagem e semelhança de Adão, conforme Gn 5: 3. Esse sistema cumpre um propósito maligno de encher a terra de homens maus, vaidosos e corrompidos e prontos a afrontarem a Deus, isto a revelia do plano original de Deus. O maligno sabia que dominados pelo mal, um dia os homens se auto destruiriam como ele queria. O inimigo sempre almejou tomar o lugar de Deus, veja Is 14: 14, e conta com a cumplicidade do homem para isso, se pudesse conseguir o seu intento, a sua atitude seguinte seria eliminar a raça humana totalmente, pois esta agora para mais nada lhe serviria. A história registra através das guerras, e desgraças constantes, quem é o inspirador dessa rebeldia e maldade humana, e que da ao homem o desejo insano de poder e de eliminar adversários.

Deus porém, nunca desistiu de sua criação e de seu projeto original para a terra, Sl 24: 1, e prometeu que um dia restauraria o homem caído e pecador, através do Filho nascido da mulher conforme Gn 3: 15, e veja que prometeu isso antes da fundação do mundo estando o homem com ele ainda no Éden. O Filho, sendo gerado por Deus na terra, nunca pecou, e foi morto, e ressuscitou, subindo aos céus e com todo o poder nos céus e na terra, Mt 28: 18, de lá voltará e fará ainda no porvir um novo céu e uma nova terra, onde habita a justiça, 2Pe 3: 13 e Ap 21: 1 a 3, e então a terra será cheia de homens santos e obedientes a Deus vivendo em plena harmonia com o Criador como ocorria no Éden.

Jesus que não era do mundo , e declarou isso sempre , Jo 14: 30, sendo o Filho de Deus, veio ao mundo para salvá-lo e vencê-lo, conforme Jo 16: 33 e 1Jo 2: 16. Está revelado que tudo que está no mundo não é de Deus o que é confirmado em Jo 17: 14 e Tg 4:4 e a comprovação do que dizemos até aqui. Portanto, antes do pecado não havia mundo, mas o paraíso, e este sistema que previa a harmonia entre Deus e o homem, Criador e criatura, e que se estenderia por toda a terra, mais o pecado deu origem a “fundação do mundo” que vigora até hoje e cujo primeiro personagem Caim, matou a seu irmão Abel por ciúme. Quando Jesus voltar esse sistema chamado mundo findará, dando lugar ao reino milenar de Cristo na terra, como em Mt 13: 39 e Ap 21: 1 e 2. O mundo é seu príncipe nada têm a ver com Deus e com Cristo.

Nesse tempo, o Diabo estará preso no poço do abismo conforme Ap 20: 1 a 3, o que pôs fim ao chamado sistema mundano e maligno, de Mt 25: 34, pois Jesus estará reinando em Jerusalém sobre toda a terra, a igreja será revelada como reis e sacerdotes no reino milenar, em pena harmonia com Deus o Pai, e o mundo e as suas concupiscências já terão sido sepultadas no passado, bem como também os seus malignos inspiradores.

cláudio pinto

Pense: “O homem sem Deus “fundou” o mundo, e Jesus Cristo homem o Filho de Deus, “findou” o mundo”.                   Nábulus, pensador cristão

s as águas

Jesus veio para cumprir a lei e disse que nem um til ou jota cairia da lei sem que fosse cumprido, isto em Mt 5: 17 e 18 e o consumou conforme Jo 19: 30. Jesus, aceito como sendo o Filho de Deus unigênito na terra, deve ser visto como a maior autoridade na interpretação da palavra e dos mandamentos de Deus e ser acatado como o enviado do Pai e aceito em suas determinações totalmente. Caso contrário, resta então uma opção, não aceitar e o colocar numa condição inferior ao Pai e só obedecer o que diz o Velho Testamento, recusando assim o espírito da graça de Jesus cristo e a sua salvação e se salvar por méritos próprios cumprindo a lei.

O sábado é um sinal eterno entre Deus e o povo de Israel, como lembrança de que foram tirados com mão forte da servidão do Egito, Ex 31: 12 a 18, Dt 5: 13 a 15, pois ali como escravos, não tinham dia de descanso algum. A escritura também revela que os Israelitas eram tidos por Deus como um povo obstinado a pecar e logo se esquecer de tudo o que Deus lhes havia proporcionado, Sl 78: 7 e 8. Por isso o sábado foi instituído, para que o “dia de descanso” os lembrasse da servidão do Egito, sem descanso, e isso fosse um diferencial, e que ao menos por um dia na semana se lembrassem das bênçãos de Deus e o reverenciassem, ainda que isso fosse feito de forma legal, através da lei e não da livre dedicação do povo.

Se o aceitamos como o Salvador do mundo conforme Jo 4: 42 e 1Jo 4: 14, e a ele que devemos obedecer em suas ações, pois ele é a verdade o caminho, e a vida conforme Jo 14: 6, e ninguém vai ao Pai senão por ele. Alguém se salvou por guardar o sábado na lei? Rm 3: 10, 20 e 23 e Tg 2: 10 dizem: “ninguém se salvou” Jesus guardou o sábado quando manifestado na carne e no mundo? Jesus não guardou o sábado Mt 12: 10 a 12, fazia o bem também nesse dia, era lícito. Jesus não confirmou o quarto mandamento, porque ele é o sábado, Mc 2: 27 e 28, Jesus é o dia do descanso de Deus. Os que andavam com Jesus o servindo todos os dias estavam livres de guardar o sábado, como os sacerdotes do templo que serviam a Deus todos os dias também estavam, e mesmo Davi, homem segundo o coração de Deus, veja Mt 12: 1 a 8 e Mc 2: 23 a 28.

Jesus quer misericórdia e não sacrifício Mt 9:13, 12: 7, e o sábado é sacrificial, veja Lv: 23: 26 a 32, a lei já dizia isso, também em 1Sm 15: 22 e Os 6: 6. Jesus, que foi o sacrifício aceito por Deus, e Hb 10: 12, que substituiu o sacrifício pela misericórdia, e o amor é o maior dos mandamentos, amor a Deus e a todos os homens. Jesus, o único a cumprir a lei, confirmou 9 dos 10 mandamentos nos evangelhos, menos o quarto deles como segue: 1 – Lc 10:27 e 1Co 6: 4 e 6 2 – 1Jo 5:21 – 1Co 10: 14 3 – Mt 5: 33 a 37 e Tg 5: 12 4 – ? ? ? 5 – Mt 19: 19 – 15: 4 Ef 6: 2 6 – Mt 19: 18 e Rm 13: 9 7 – Mt 19: 18, Rm 13: 9 8 – Mt 19: 18 e Rm 13: 9 9 – Mt 19: 18 e Rm 13: 9, Mt 5: 27 e 28 10 – Rm 13: 9 e Mt 5: 28

O cumprimento da lei é o amor: Rm 13: 8 a 10 – Gl 5: 14 – Rm 8: 1 e 2 – Jo 15: 12. O único sacrifício que salva é que foi aceito por Deus, HB 10: 12, é o de seu Filho Jesus Cristo conforme Hb 13: 15 – 1Pe 2: 5.

O concílio de Jerusalém ao final não menciona o sábado, se fosse importante para a salvação teria sido confirmado pelos apóstolos reunidos, veja At 15: 28 e 29. Os evangelhos que anunciam a Jesus e a salvação não confirmam a guarda do sábado, Mc 16: 15 e 16 – Mt 28: 19 e 20. Jesus, e quem estará conosco todos os dias até a consumação dos séculos.

Jesus, o Cordeiro de Deus sem mácula nem ruga alguma, e que tira o pecado do mundo, Hb 9: 26, o único que cumpriu a lei, Hb 10: 12, não guardou nem confirmou o sábado na graça. O sacrifício na lei, cobria o pecado, as não podia tirá-lo, o empurrava para baixo do tapete, Jesus tirou o pecado do mundo. O que ocorre é que nós em nossa vã pretensão temos muita dificuldade em aceitar que Jesus é suficiente para nos salvar, e de graça, assim querermos ter algum mérito, alguma participação pessoal na nossa salvação de alguma forma. Descansemos disso em Jesus o amando em santidade, pois Ele é o nosso sábado e o nosso dia de descanso eterno.

*Sendo o sábado do descanso de Deus e nunca pecando, At 2: 24, foi o único sacrifício aceito por Deus em todos os tempos, na lei e na graça.

Pense: “Sendo o sábado de descanso de Deus, Jesus guardou-se a si mesmo”. Nábulus pensador cristão

A seleção natural

digitalizar0005

Em Gênesis o Criador, após cada etapa finda, declarou que tudo era bom, Gn 1¨10, Primeiro criou a erva verde as árvores frutíferas e só após os animais, e ordenou que todos os vegetais criados seriam para alimentação deles. Na ordem, primeiro Deus criou a manutenção e só após os que deveriam ser mantidos, o canibalismo não fazia parte da criação. Por isso a criação da vida no Gênesis começa na terra apta a gerar vida vegetal variada, Gn 1: 11, e não nas águas. Tendo sustento, todos os animais conviveriam pacificamente e sem ameaças. E foi observando o canibalismo entre uma vespa e uma lagarta, o qual não faz parte da criação original de Deus, que o homem se inspirou para propor a existência da “seleção natural”. Se cumpriu o que está no Sl 42:7, que diz “um erro leva sempre a outro erro ”. Observando o mal que foi introduzido pelo homem no mundo, Rm 5: 12, que o homem resolveu que não havia a criação, pois o canibalismo, que é resultado da ação deletéria do homem, Rm 8: 22 e 23, foi que tornou Deus mal a seus olhos invertendo os valores e o levando a julgar a Deus. Por isso Deus diz: “a imaginação do homem é má desde a sua meninice”, Gn 8: 21.

Existindo o canibalismo que é resultado da ação humana na criação, Gn 2: 17 e 3: 6, a “seleção natural” seria uma consequência disso, pois o mal dominando a criação a foi tornando cruel e nociva e o aniquilamento das espécies faz parte do plano diabólico de destruição da criação que vai chegar até o homem conforme disse Jesus em Mt 24: 22. O que Deus chama como a entrada do pecado e da morte no mundo o homem chama de “seleção natural”, e assim o segundo erro no caso é bem maior que o primeiro e vemos “um abismo chamando outro abismo”, e quantos por essas ideias já caíram nele indo a perdição eterna.

Por isso a criação e a evolução são incompatíveis, e não podem caminhar paralelamente. A “seleção natural” justifica o mal e a predação , por ter a natureza como amoral, mas que ocorre de forma cruel em especial entre os irracionais, mas que não é alheia aos humanos que também se aniquilam para permanecer. Isto é tido como natural pelos que nela creem, e da todo respaldo aos famosos e abomináveis conceitos humanos do “quem pode mais chora menos, e o mundo é dos mais fortes e mais espertos ”, que tendem a ficar.

Na criação bíblica, tudo começou na terra e não nas águas exatamente porque o Criador não queria o canibalismo e a antropofagia entre os seres criados tanto que lhes proveu de todo o tipo de fruto vegetal para que se alimentassem e convivessem pacificamente lado a lado sem que um fosse uma constante ameaça a existência do outro. Porém, a Bíblia narra que o homem, após perder a fé, optou por desobedecer e pecar e assim introduzir no mundo a semente do mal e a morte, o que foi degenerando a criação original a ponto de Deus declarar que se arrependera de ter criado o homem, Gn 6: 6, e se propor a destruir toda a vida que estava sobre a terra num dilúvio universal, Gn 6: 13 e 17, e começar tudo de novo a partir de Noé. Somente após o diluvio e que Deus permitiu que os seres criados e agora caídos, pudessem se alimentar de forma canibal, Gn 9: 3, isso até que o pecado o mal e a morte , sejam extirpados de sua criação o que demandaria tempo . A morte já tem seu fim anunciado em 1Co 15: 27, é o último inimigo de Deus e será derrotada, e com ela a tal “seleção natural”. No fim serão aprovados a permanecer aqueles que Deus o Criador tiver como aptos, Ap 21: 3.

No caso Deus teria falhado na criação? Não, o desastre veio devido a Deus ter criado o homem com livre arbítrio e ter respeitado esse dom que lhe dera, o qual usando dessa liberdade se cumpliciou a serpente e juntos em conluio, introduziram o mal na criação divina o qual domina o mundo até hoje, conforme 1Jo 5: 19. A seleção natural é o fruto da desobediência humana na natureza , a qual afastou o homem de Deus, o Criador, veja sobre isso, Rm 5: 18 e 19.

Hoje quando vigora a injusta e a maligna lei do mais forte na natureza, a famigerada “seleção natural” a qual faz da vida animal e humana na terra uma verdadeira tragédia diária, pois sob o domínio do mal uma vespa introduz seus ovos no corpo de uma lagarta para que sua prole ao eclodir se alimente de seu hospedeiro ainda vivo, e uma águia fura os olhos de um coelho vivo e lhe arranca do peito o coração, uma hiena arranca nacos de carne de sua presa sem a matar, e os chacais e os lobos dilaceram suas presas paralisadas pelo medo e terror, sem falar no que fazem os tubarões, crocodilos e as bestas feras da terra, inconscientes do mal e lutando pela sobrevivência. A tão decantada “seleção natural” ocorre também entre os humanos com os mais fortes varrendo da face da terra povos e culturas inteiras por as ter considerado como mais fracas e assim indignas de continuar. Estas coisas deixam evidentes quem é o deus que as rege e as inspira em cumplicidade com os que o obedecem , até que sejam banidos, e toda a criação então volte a harmonia original e boa, como foi criada e está narrada pelo Deus Criador da Bíblia, em Gênesis. O fim do mal e da morte será ainda o fim da “seleção natural”. Deus vai pegar o sábio em sua sabedoria , conforme 1Co 1: 19 a 28.

Quando o homem voltar a ser bom, e até muito bom, como foi criado por Deus e esta narrado em Gn 1: 30, então toda a natureza será libertada do sofrimento na qual está submetida hoje devido ao mal, será livre da cruenta e perversa “seleção natural”, que justifica a evolução, veja Rm 8: 21 a 23, e haverá paz e harmonia e “elevação espiritual” nos que creem em Deus e harmonia em toda a criação e na terra conforme revela o profeta Isaias em Is 11: 6 e ¨5: 25. Não creia sem ler, leia os textos e depois tire as suas próprias conclusões.

cláudio pinto pr

Pense: “ A seleção natural é a prova de que num sistema maligno, o mais forte sempre supera o mais fraco o eliminando, por isso acabará eliminada. Nábulus, pensador cristão

 

V teor evol c txO que motivou Darwin a propor sua teoria? Segundo me consta e confiando nos relatos da história, Darwim era de família cristã, defensor dos direitos humanos, e ligado aos antiescravagistas da Universidade Cambridge onde estudou, e se sentia pressionado por se sentir impotente contra tais coisas. Ainda nesse tempo a Europa balançava entre o criacionismo e o evolucionismo, e Darwin resolveu sair em busca de provas sobre o evolucionismo. Em 1831 aceitou convite do amigo Robert Fitzroy para sair em viagem de dois anos com o barco Beagle ao redor do mundo, viagem que ao final levou cinco anos, até 1836., e observando a natureza de passagem e tirando conclusões pessoais, em especial nas analises nas ilhas Galápagos, passou a elaborar a sua proposta sobre a “teoria da evolução”.

Ao perceber a diferença entre os animais da mesma espécie, as quais mudavam de tamanho no decorrer do tempo diminuindo sempre, e que mudavam em alguns pontos, como as formas de bicos, etc., isto quando se separavam geograficamente de seus iguais se adaptando a um novo ambiente, deduziu ser isto a comprovação da evolução das espécies. Para ele, isso foi o suficiente para se contestar a criação, e a narrativa bíblica, a tendo como sendo errada. Embora, até hoje, nunca se tenha achado uma prova real de que uma espécie se transmutasse em outra, o que caracterizaria a evolução ao criar uma nova espécie, nem se achado o chamado elo perdido que poderia dar veracidade à dita evolução e da qual o vivo “Celacanto”, é uma tremenda contradição, incrivelmente a ciência que se baseia sempre em provas cabais, respaldou ou se omitiu a respeito dessa “teoria” ou suposição, como se fosse um enunciado comprovado.

Teoria – O que é uma teoria? É um, “conjunto de regras ou leis, mais ou menos sistematizadas, aplicadas a uma área específica ou o conhecimento especulativo, metódico e organizado de caráter hipotético e sintético”, portanto, nada há ainda de concreto numa “teoria hipotética”, até que seja no mínimo comprovada e então deixa de ser teoria e passa a ser um enunciado científico. Porém, a ciência trata a “teoria da evolução” mesmo sem comprovação, como fato real e não uma teoria, e ela é assim ensinada como a verdade nas escolas, barrando o ciriacionismo.

Adaptação – E muito claro que as criaturas se adaptem a novos ambientes, como o percebeu Darwin, e a prova disso está em serem os nórdicos, onde há pouco sol, pálidos, os orientais onde o sol é poente, amarelos, e os africanos onde o sol é intenso, negros e com cabelos encrespados, (queimados), isto para resistir ao calor. Aqueça o cabelo liso de um nórdico ou oriental ao lume e terá como resultado o cabelo corrugado de um africano. A mesma adaptação ocorre com os animais sem nenhuma dúvida, mas adaptação nada tem a ver com evolução, pois ela adapta as espécies ao ambiente em que vivem por mera sobrevivência, mas não as transforma em novas outras espécies diferentes dela. Vemos na adaptação uma realidade fácil de se aceitar e lógica de se entender, pois há na natureza uma diversidade de manifestações plurais do mesmo fenômeno em muitos animais da mesma espécie. Cremos que a teoria da adaptação é um fato de fácil comprovação, para que seja ciência, as espécies se adaptam ao meio. O fato de uma vespa por seus ovos no corpo de uma lagarta para que sua larvas se alimentem dela após, Gn 1: 30, prova apenas que a maldade domina a natureza conforme diz Rm 8: 22.

Claro que a ciência deve estar aberta a qualquer novidade, porém a teoria de Darwin deveria ser apenas o início de uma investigação mais profunda em busca de provas, para que tal teoria fosse respaldada de forma irrefutável, sendo após aceita como sendo ciência. No caso da evolução parece se abriu entretanto uma exceção a essa norma, e a “teoria” foi aceita como verdade, pois passou a ser ensinada em escolas regulares, no mundo todo, por mais incrível que possa parecer, e sem nenhum protesto da ciência, parecendo isso ser muito mais uma cumplicidade com a intenção de ser negar a Bíblia e sua narrativa criacionista, que algo calcado em coisas mais serias. Infelizmente a evolução é abalizada como científica, mesmo sendo uma teoria sem provas reais que a fundamentem. Se hoje se achasse uma prova real e se comprovasse a teoria da evolução, isso também comprovaria e deixaria claro a grave omissão anterior, de se aceitar ou admitir sem provas cabais, uma mera “teoria”, porém, isso ainda não ocorreu até hoje.

Creio, que o próprio Darwin deve ter ficado estupefato ao ver as suas teorias serem aceitas por todos passando até a serem ensinadas nas escolas com rápido respaldo da ciência e deve ter morrido feliz se realmente cria no que dizia. Porém se apenas buscava argumentos para sua teoria, ou tivesse qualquer outro propósito, deve ter morrido muito frustrado e decepcionado, ao ver que a ciência, na qual confiava, aceitava todas as suas elucubrações teóricas como sendo “provas fundamentais”.

Se Darwin acertou ou errou em suas teorias cada um pode avaliar, pois nada foi ainda provado a respeito, pode-se aceitar ou rejeitar tais ideias, mas que ele errou ao confiar que a ciência investigaria com profundidade a sua proposta, aí errou feio, e disso não fica nenhuma dúvida e sabemos que partir de uma premissa errada e chega sempre a uma conclusão também errada. Porém, o nosso desejo como crentes no criacionismo e sempre esperando provas válidas do evolucionismo, é que ele descanse em paz.

cláudio pinto pr

Pense: “A mesma ciência que põe em dúvida a narrativa divina da criação, aceita sem dúvidas, a teoria humana da evolução. Nábulus, pensador cristão

%d blogueiros gostam disto: