Feeds:
Posts
Comentários

Omis

Todos os anos somos surpreendidos com os antropólogos revelando terem descoberto novos fósseis, fato que podem mudar a perspectivas sobre a antiguidade do homem sobre a terra.

Ter um fóssil a forma de homem, ou seja, ter esqueleto semelhante ao do homem, por si só é prova de que era um ancestral humano? Que era um homem não resta dúvida, pois tinha cabeça tronco e membros na mesma disposição do homem atual, andava ereto como o homo sapiens, mas não há nenhuma garantia que esse ser fosse um exemplar pertencente ao chamado gênero humano, os quais são descendentes de um ancestral único na história, o homem narrado na Bíblia e chamado Adão. Não se pode pressupor que por serem parecidos em sua estrutura óssea com os humanos, todos os fósseis achados nessa condição sejam de antigos representantes da espécie humana.

Ainda que tenha a forma de homem, ande em pé, seja inteligente e viva socialmente, e que possa até ter deixado sua marca na história, nas cavernas, nas inscrições rupestres, nos petróglifos, e até nas edificações do passado, etc., nada garante que seja um ser humano. A humanidade segundo a Bíblia foi criada em Adão que significa humano ou humanidade em Gn 1: 26 a 28 e 2: 7 e 8. Se o termo homem deriva de humanos, se refere somente a Adão.

O problema é que se passou a considerar humano a tudo que tem a forma estrutural do homem e que não seja um símio. Se for um primata, será sempre um símio tenha a idade que tiver o fóssil, ser não for um símio, então será tido como sendo homem , e ainda com a agravante de ser catalogado como um ancestral humano, o qual só foi criado há seis mil anos atrás segundo a Bíblia. Todo o problema está em se confundir seres com a forma humana com os humanos criados em Adão.

Existiram seres com estrutura semelhante a dos homens antes de Adão? Nada impede que existissem, estão aí os Neanderthal, os Cro-Magnon, os pitecantrophus erectus, etc., para evidenciar que sim, se é que a ciência tem mesmo como verdadeiros esses fósseis. Se reais esses fósseis e não fraudes, eram seres estruturalmente parecidos com homens e símios, sem duvida, e habitaram o planeta terra durante os milênios e se desenvolveram na história. Eram eles seres humanos? Cremos que ainda que tivessem o mesmo DNA dos homens não o seriam por isso, pois humanos tem um ancestral único que os caracteriza, o homem chamado Adão que significa humanidade. A humanidade começou em Adão, por ser ele formado a imagem e semelhança de Deus, o que o diferencia dos demais seres na forma óssea humanoide.

Por isso, o único homem a quem Deus imputou o pecado foi justamente Adão, por este ter sido criado a imagem e semelhança de seu Criador e ter assim todas as condições de discernir entre o bem e o mal e de resistir ao mal sendo a ele submetido, mas com livre arbítrio para desobedecer se assim o quisesse. Essa é uma diferença fundamental entre os humanos e os parecidos a ele e isso a ciência não tem como comprovar materialmente pelos fósseis.

Pense: “Nem tudo que reluz e ouro; e nem tudo que é huamanoide e humano. Nábulus, pensador cristão

HARM

Está escrito: “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em seus narizes o folego de vida; e o homem foi feito alma vivente; e plantou o Senhor Deus um jardim no Éden da banda do oriente; e pôs ali o homem que tinha formado”. No verso 15 diz: “E tomou o Senhor Deus o homem, e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e guardar”.

O homem foi formado do barro, na verdade o nome Adão também poderia ser em português, “Barroso”, feito do barro, ou terroso, feito da terra, pois o nome está ligado a Adamah que significa terra vermelha. Desse pó vermelho da Palestina é que foi formado o homem que após foi levado para viver dentro do jardim de Deus, lavrando a terra.

Deus com o barro moldou um boneco na forma humana o qual porém, estava deitado inerte no solo como se fosse um corpo mineral. Deus o querendo vivo, soprou então o fôlego de vida em seus narizes e este passou a respirar no solo a semelhança dos vegetais. Deus porém, o queria animado e assim o tornou em “alma vivente” , com ânimo, moveu-se e começou a caminhar como o faz todo animal. A grande diferença entre o homem e todos os demais animais da criação, foi o dom de ser este “racional”, como seu Criador. Para ser servo de Deus necessitamos ter entendimento, pois Deus é um ser racional, lógico e perfeito.

Muitos entendem que o fôlego de vida era o Espírito de Deus no homem, porém é apenas uma conjetura, veja o que diz Gn 6: 17, todos os animais também são almas viventes e tem “fôlego de vida” como o homem o e não tem neles o Espírito de Deus, Gn 1: 24. Porém, sendo o homem racional e vivendo em plena harmonia e em sintonia com o Criador que é Espirito, Jo 4: 24, e dia a dia estando diante de sua presença, estava com o homem o Espírito de Deus. Enquanto houvesse harmonia entre Criador e criatura assim seria. Quando Adão pecou, acabou expulso do jardim e da presença de Deus e já não tinha mais com ele o Espírito de Deus, mas continuou com o fôlego de vida em si até que morresse, Gn 2: 17 e 5: 5. Longe de Deus, passou a viver por sua própria conta, conforme Gn 3: 19. Era agora apenas um animal racional gerando filhos a sua semelhança e conforme a sua imagem adâmica, veja Gn 5: 3.

Mesmo no jardim Adão era um servo de Deus, pois lavrava e guardava o local, tarefas de servo, e nomeava a sua criação com sabedoria, prova disto é que tinha essa sua dificílima tarefa sempre aprovada pelo Criador, Gn 2: 19. Obediente, tinha sobre si no jardim a glória de Deus, pois ainda não tinha pecado, como está em Rm 3: 23. Porém todas as suas tarefas eram de um servo um auxiliar, ainda a intelectual de nomear a criação divina. Nestas coisas vemos características da semelhança de Deus no homem que é refletir a glória divina usando o dom de criar a partir da criação de Deus, 2Co 3: 18. Isto, só o homem tem capacidade para fazer.

Quando o homem se converte a Cristo, o recebe em verdade como seu Senhor e passa a servir o seu senhorio, e deixa de ser servo do pecado e volta a condição de ser servo da justiça como era no jardim no Éden, confirme em Rm 6: 17. A primeira condição do homem em relação a Deus é de servo, mas existe um plano para que o homem chegue a ser Senhor em Cristo na Bíblia conforme mostra Gn 1: 27.

Pense: “O servo obediente se torna amigo de seu Senhor e assim se torna um servo livre”.

cláudio pinto pr

A var

Desde de que a ciência em seu desenvolvimento descobriu fósseis a semelhança humana os situando como ancestrais do homem atual, e os denominando como homem Cromagnon, de Neenderthal, etc., estimando a sua antiguidade em muito mais de seis milênios, colocou uma interrogação com relação a veracidade e credibilidade da narrativa bíblica sobre a criação do homem cuja origem gira em torno dos seis mil anos, pondo na berlinda a verdade sobre o criacionismo.

Essas descobertas, evidenciam a semelhança óssea como prova genérica de antecedência de toda a espécie humana, no pressuposto de que todos os homens descendem de um ancestral único o que cremos ser indevido ou precipitado.

O que a Bíblia revela no Gênesis, não é a criação da forma humana na terra a qual é muito antiga, mas a criação de um homem específico com características próprias e inerentes e que tem por nome Adão. A Bíblia, só este homem interessa revelar por ser o ancestral dos homens atuais, aos demais homens, que a ciência o faça com toda a liberdade como está previsto em Pv 25: 2. É função da ciência.

Sabemos que o esqueleto com forma humana e o “chassi” mais apto e aprovado na natureza, tanto que quase todos os vertebrados tem estruturas ósseas que são semelhantes à humana , com cabeça, tronco e membros na mesma ordem e número. Algumas espécies, sofrem adaptações para se adequarem ao meio em que vivem, como braços transformados em asas no caso das aves, ou longas caudas para dar equilíbrio como nos felinos e repteis. Lembramos que na indústria automobilística quando se consegue fazer um chassi aprovado se montam após muitos modelos sobre ele, o mesmo ocorre no caso do esqueleto humanoide usado por muitos vertebrados por ser excelente. Porque o Criador faria um novo esqueleto só para diferenciar o homem Adão dos demais que já existiam antes dele?. Não teria nenhum sentido.

A complexidade está em que a mesma Bíblia afirma existirem hoje dois tipos de homens que fisicamente são idênticos, tem o mesmo DNA, mas com essências tornadas diferentes conforme está revelado em 1Co 2: 13 a 16. Um deles é o “homem natural” que foi criado em Adão há aproximadamente seis mil anos e que escolheu “não ser espiritual”. O outro é o “homem espiritual” criado do mesmo Adão, mas que foi recriado em Cristo há próximos dois mil anos , também por livre escolha sua, se tornando assim o homem espiritual da graça.

Porém se acharmos os fósseis de ambos no porvir, eles teriam esqueletos iguais em absoluto, pois a diferença não está na forma física, mas na essência de cada um e isto não fica registrado nos fósseis. A mesma Bíblia os diferencia como sendo: o natural da terra e o espiritual do céu, o natural mortal, por ter escolhido se apartar de Deus seu Criador, e o espiritual eterno, por escolher ser a semelhança de seu Criador. Portanto, não se achara a diferença observando o fóssil dos dois homens. Lembramos que o Homem é o único ser na natureza com raciocínio, com arbítrio e com liberdade de escolher o que quer ser eternamente, e ter respeitada a sua livre decisão pelo seu Criador, pois Deus lhe deu o chamado “livre arbítrio”.

O Gênesis narra a criação desse homem chamado Adão a partir do pó da terra, e de sua companheira Eva, tirada de sua costela, o qual foi formado para ser “a imagem e semelhança de seu Criador”, se assim ele o escolher. Isso o torna em essência diferente de todos os demais eventuais homens pré- existentes, pois nenhum deles tem a preeminência de ser a imagem e semelhança de seu Criador. A Bíblia só narra essa criação por ser ela a única que nos interessa por estar nela a nossa história passada e futura e não nas outras. Lembre-se que a Bíblia revela a idade do homem Adão, mas não revela a idade do planeta terra.

Pode ter havido homens inteligentes antes de Adão? sim, e a provas disso em todas as artes e até nas cavernas rupestres. Porém, para esses não havia um plano que um dia pudessem se tornar eternos, e assim se foram, deixando porém, a sua passagem gravada de várias formas nos tempos. Se você é um Adão, hoje pode escolher ser natural ou eterno, e só receber a Jesus que te transforma em nova criatura no novo nascimento e espiritual e eterna. A decisão e escolha e livre e totalmente sua. Você é quem decide o seu futuro eterno.

Pense: “ Jesus disse que um cego nascido sem olhos pode ver o que um homem nascido com olhos perfeitos não vê”, tudo depende da fé de cada um, Lc 10: 39 a 41, e Mc 10: 51 e 52. Você pode crer nisso?

cláudio pinto pr

A transf 200 bl

Existe um enigma que poucos se aventuram a entender no velho testamento, o qual está envolto realmente em certo mistério. Entre aqueles que se aventuram a comentar não há unanimidade e existem opiniões e posições diversas. Como esse texto fica um verso antes do polêmico assunto que aborda o contato entre os filhos e Deus e as filhas dos homens no verso 4, as discussões se desviam para esse tema, obscurecendo o anterior que queremos aqui evidenciar que diz: “Então disse o Senhor: não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne: porém os seus dias serão cento e vinte anos”, Gn 6: 3. Qual o significado dessa declaração sobre o homem em momento tão dramático?

Deus é o Criador do homem e sabia ser ele carne, não se refere portanto, à sua essência física, mas a sua escolha pessoal em privilegiar ser um ser carnal ao escolher o conhecimento do mal e pecar. Assim, contaminou a sua carne conforme Rm 7: 18, e passou a ser influenciado pelo mal ao qual livremente escolheu servir se associando ao maligno e as coisas carnais e malignas, 1Tm 2: 14. Isso levou a Deus a se apartar do homem carnal.

Sendo o homem carne e sendo Deus Espírito, o homem pecador tenderá a porfiar ou contender com o seu Criador, conforme Gn 3: 8 a 13, isto devido à perda da harmonia inicial e a estar ligado ao maligno. A decisão de Deus em Gn 3: 6 faz parte do plano de salvação futura do homem, o preservando carnal até que pudesse novamente receber o dom do Espírito de Deus, e em Cristo e se tornar o homem espiritual de 1Co 2: 13 a 16. Seria uma evolução espiritual do pecador.

Ao anunciar o dilúvio a Noé, Deus proveu “120 anos” de misericórdia para que os homens se arrependessem, que foi o tempo da construção da arca, 1Pe 3: 20, que era a forma de pregação da justiça divina por Noé naqueles tempos, conforme 2Pe 2: 5. Porém como sabemos somente 8 almas entraram na arca, sendo todos eles membros da família de Noé único homem no qual Deus viu graça para ser salvo.

Após o dilúvio que provocou mudanças no clima da terra, a idade dos homens foi sendo sumariamente reduzida, por exemplo, o grande patriarca Abraão, viveu 175 anos e morreu como relata Gn 25: 7, bem menos que os 969 anos de Matusala. Abraão foi o pai da fé e a raiz do povo de Deus, e aparece entre os heróis da fé de Hb 11: 8 a 10. Da linhagem de Abraão e na mesma fé veio Moisés, através de quem veio à lei de Deus aos homens. Algo novo aconteceu no relacionamento entre Deus e os homens através da vida de Moisés, o qual deu a lei que apontava o pecado, e o curioso é que ele Moisés viveu “120 anos” e morreu, deixando porém a lei que foi o aio para a vinda da graça. Seu testemunho foi dos maiores entre os heróis da fé de Hb 11: 23 a 29.

Quando o homem chegou aos 120 anos de média de duração de vida, tendo como referencia Moisés, Deus dá nova chance de arrependimento ao homem, dando a lei chamada “do pecado e da morte”, Rm 8: 2, a qual restaurou a contenda entre o seu Espírito e o espírito do homem para lhe abrir o caminho da vida, através dela. Ela revelou o pecado e serviu de aio para a vinda da salvação pela graça futura que por meio da fé, que se consuma em nosso Senhor Jesus Cristo.

cláudio pinto

Pense: “Crise é oportunidade. Se a crise do homem é o pecado, a oportunidade do homem é Jesus”.

Nábulus, pensador cristão

O b bang

A Bíblia relata com detalhes a criação de todas as coisas, por um Deus Criador e Ùnico, a que educacionalmente se convencionou chamar por “criacionismo”, e que é aceita por todos os que creem e temem a Deus . Foi assim chamada para se diferenciar de uma proposta humanista conhecida como “teoria da evolução, que nega a criação original e propõe que a natureza inconsciente tem poder de criar e se criar no tempo. A essa teoria (ideia), se somou outra da parte da ciência a qual se deu o nome de “big bang” e que tenta explicar cientificamente como tudo teria começado a partir de uma pequena e concentrada bola primordial que explodiu. Estas são as teorias mais notórias, confrontando a criação, embora existam outras tantas ideias entre povos e tribos primitivos que não são levadas em conta como estudo, ficando mais no campo da mitologia.

Francis Collins um cientista de renome, talvez o maior dos dias de hoje, por ter sido o chefe da equipe científica que mapeou o genoma humano, é um cristão sério e declarado, autor de vários livros famosos, entre os quais destacamos o livro “A linguagem de Deus”, onde revelou que muitos cientistas se converteram a Cristo devido a teoria do “big bang” que foi criada justamente, não para negar a criação de Deus, mas para propor algo que pensavam ser mais lógico para o surgimento do universo e sua sequência de eventos. Para explicar isso, Francis Collins, lança mão da “lei da causalidade”, que enuncia não haver efeito sem causa e nem causa sem efeito, e que é um princípio praticado e aceito por toda a ciência.

Ora, sendo cientistas e tendo raciocínio lógico, logo concluíram que se houve o big bang inicial, ele é um efeito de algo que o antecedeu e não é a causa, e deixa então a pergunta: qual foi a causa que originou o efeito “big bang?” E muitos cientistas se auto responderam concluindo que teria que haver alguém por trás desse acontecimento, alguém que apertasse o botão que daria origem a explosão. E como a ciência calculou toda a sequencia inicial pôs acontecimento do big bang até hoje, chegaram a conclusão que foi um caos controlado, pois ninguém pode prever o que ocorre num estado absolutamente caótico que é imprevisível. Se pode ser mapeado alguém controlava sabiamente esse suposto caos.

E concluíram que esse alguém só poderia ser Deus, alguém maior que o big bang e que podia controlá-lo. Deus teria sido a causa de tão grandioso acontecimento cujo efeito resultou na origem do universo atual. Dai as conversões dos cientistas, que os levou a estarem concordes com a lógica daquilo que praticam no dia a dia, e o efeito de suas conversões teve como causa o crer em um Deus Criador. Talvez você fique surpreso como eu fiquei com essa narrativa, seria bom ler então o livro A linguagem de Deus de Francis Collins. Um cientista faz suposições e as investiga, após, fica com as conclusões lógicas obtidas e não com as suposições.

Pense: O caos é o lugar ideal para que aja a ordem, Deus é a ordem no caos, é o “Haja luz” criador. Nábulus, pensador cristão

.

LM

As eleições na França, a cidade luz da Europa, terra do iluminismo, e cabeça intelectual da Europa, confirmou uma tendência que está se repetindo em todo o mundo, ou seja, a falta ou carência de grandes líderes populares representativos e com qualidade de estadista, no mundo. Hoje se escolhe o que se apresenta como disponível e não o que se tem como o ideal para governar uma nação, e os resultados colhidos tem ido de mal a pior. Nos últimos 50 anos em matéria de estadistas o mundo tem descido a ladeira da incompetência abaixo e está mergulhando em um previsível período de iniquidade e de trevas. Não surgem grandes líderes, e os que existem são inexpressivos ou desqualificados, mas por não surgirem novos, continuam sendo as velhas, falidas e nefastas opções.

Vemos que em todos os principais países do mundo o candidato favorito surge em meio a campanha eleitoral ou próximo a ela, e não era uma carta marcada com uma carreira e um currículo que o recomendasse, mas um produto do meio que veio a tona fortuitamente devido a diversas circunstâncias ou promovido por um vil ou inescrupuloso marqueteiro. Não se sabe o que exatamente ele pensa, e o que pretende, além da notoriedade que o cargo lhe dará, e assim se paga para ver o que vai dar como se uma eleição fosse um mero jogo de pôquer. O pior é que nesse pôquer o blefe tem sido o resultado predominante.

No caso da França, todos os favoritos foram caindo um a um durante o trajeto e isto devido as próprias deficiências ou fragilidades morais, sobraram os que não foram atingidos pelo infausto, e um dos países mais importantes do mundo será governado ou por um candidato tido como extremista ou por um tido como inexperiente para as funções, ao final, prevaleceu o inexperiente. Nos EUA, o político carreirista e profissional, foi substituído por um empresário que pela primeira vez se aventurou como candidato e logo almejou o cargo mais importante da nação e um dos mais importantes do mundo. Na falta de alguém preparado e mais expressivo acabou levando, e foi eleito ao cargo, e agora é que vamos ver quais as suas verdadeiras intenções, competência e tendências, em especial na área internacional, veja a verdade disso em Rm 3:10 a 12.

Na verdade todos os países do mundo estão em carência de verdadeiras lideranças pessoas que tenham vocação, história, competência, carisma e boas intenções, para com a humanidade, para ser o ocupante do cargo principal da nação. Na verdade, elegem alguém convenientemente para o momento, o qual é por opção o menos ruim possível e não a mais desejado e capacitado, muitas vezes apenas um oportunista ou aventureiro que desgraça a nação que dirige.

Assim o mundo está ficando pronto para o surgimento do líder mundial carismático e pragmático, que tenha soluções para todas as áreas da economia, do comércio, da ecologia, das relações internacionais, das crises, etc. O homem poderoso no discurso e com olhar dominador que conduz as massas populares, e conquista as lideranças, e que tem um objetivo claro a executar, alguém determinado e apto a assumir não somente o governo de uma nação, mas apto e pronto a ser guindado a assumir o governo do mundo se tornando o primeiro governante mundial, o qual é citado profeticamente em 2Ts 2: 8 a 10 e Ap 13: 1 a 10.

O mundo começa a ansiar por um líder mundial, a sonhar com esse personagem poderoso no olhar e portentoso na oratória, o seu trono já está posto bastando agora que ele se manifeste em algum ponto do planeta para logo ser entronizado nele pelas nações desesperadas pelo vazio governamental. O mundo começa a ansiar pelo anticristo, o homem da iniquidade como revelam as profecias bíblicas.

Para nós que somos cristãos e cremos nas escrituras, esse momento se delineia a cada dia e está sendo construído passo a passo, até que das trevas resplandeça e seja elevado por todos os que amam o mundo e se regalam na iniquidade e na mentira, terão então o que sempre buscaram e se apegaram, e pagarão o caro preço desse devaneio desolador, conforme diz Dn 9: 27.

Para nós cristãos tementes a Deus, a ordem e buscar a Jesus e seu reino, orando, a cada dia pedindo, “venha o teu reino Senhor”.

cláudio pinto pr

Pense: “Para quem ama a iniquidade o ideal e que no trono do mundo se assente o seu príncipe”, 2Ts 2:13. Nábulus, pensador cristão

O caos universal

Expl 4 6

O universo é caótico, nele estrelas explodem de maneira estrepitosa, lançando no espaço colunas de raios gama absolutamente destruidoras, produzem temperaturas avassaladoras, e depois se encolhem e adensam como um gigantesco imã, com tal poder de gravidade que são capazes de sugar tudo ao seu redor e do qual nem a luz escapa, se constituindo nos famosos buracos negros.

Simultaneamente meteoros se deslocam como bólidos em velocidades vertiginosas cuja energia cinética os torna mais destruidores e mais potentes potencialmente que muitas bombas atômica produzidas pelo homem. Corpos celestes se chocam constantemente e são lançados como petardos pelo espaço vazio e a deriva são um perigo total para alvos distantes, raios cósmicos cortam o vazio universal com imensurável capacidade destrutiva que nada pode deter. O Sol, a nossa grande estrela aparentemente pacífica, lança massa coronal magnetizada no espaço que se um dia atingir a nossa terra causará uma catástrofe inimaginável em sua amplitude que afetará a toda a humanidade.

Ao olharmos para o céu porém, tudo está aparentemente calmo, tranquilo e muito silencioso, e em perfeita ordem. A noite vemos o poético brilho da lua com as estrelas piscando em lugares distantes as vezes ofuscadas pela ténue e leitosa faixa que é a via láctea a nossa galacia. Aparentemente, nenhuma ameaça, nenhum perigo, além da abobada azul celeste da terra. Saiba que se um grão de areia se deslocando pelo espaço atingir uma nave espacial ele a atravessará como se não existisse devido a energia cinética acumulada por sua velocidade.

A questão é que o que vemos não se constitui na realidade do universo, estamos restritos a nossa infinita insignificância visual em relação ao colossal tamanho do cosmos. Na verdade estamos habitando um ambiente hiper- violento e destrutivo que tenta o tempo todo se auto destruir. Se sairmos da camada protetora de atmosfera que nos cerca estaremos sujeitos e expostos a todas as formas de aniquilamento que se possa imaginar. Fora da atmosfera, o nosso corpo estaria sujeito a temperaturas elevadíssimas exposto a luz e temperaturas baixíssimas quando na sombra, e só isto de forma simultânea seria num contraste insuportável.

O universo é dantescamente caótico, porém suas forças destrutivas e desordenadas estão contidas por algo muito maior que ele, que o amordaça e controla. Tudo o que o universo produz de destrutivo é transformado em benefício dele mesmo por uma força infinitamente superior a ele. O nosso Sol se queima continuamente e se consome em sua fúria nuclear até que um dia se apague se transformando em uma chamada anã branca pequena e densa. Em sua continua fissão nuclear, produz calor intenso e devastador, porém, este calor chega a terra de forma suave e mantém a maravilhosa e tênue variedade de vida aqui existente e que permite as plantas a metabolização da fotossíntese. Quem faz estas maravilhas, quem opera esse controle total sobre o caos universal?

Só há uma resposta, Deus é a ordem no meio do caos, está é a maior revelação que Deus dá de sua presença real ao controlar o estado caótico da matéria no cosmos, transformando continuamente essa energia aniquilante em resultados e realizações positivas para o plano que empreende para o universo futuro, pacifico e sereno, onde somente o bem prevalecerá numa ordem plena e absoluta, veja Sl 19: 1 a 3. Um dia todo esse potencial destrutivo da energia cósmica, será tão poderosa como é , quanto será pacifica e ordeira nas mãos do Criador, no dia em que haverá um novo céu e uma nova terra onde imperará a justiça, 2Pe 3: 13, não a do homem, mas a perfeita de Deus o Criador. O universo é tenebroso e caótico, mas Deus é luz e ordem no meio do caos. Como um domador, Ele domina as forças caóticas as submetendo a sua obediência.

cláudio pinto pr

Pense: “Onde existe o caos é o ambiente perfeito para que a ordem do Criador se estabeleça”. Nábulus, pensador cristão

%d blogueiros gostam disto: