Feeds:
Posts
Comentários

mão 3

E muito comum o habito de algumas mulheres mexerem no bolso dos maridos, e tirar as ocultas algum dinheiro sem que ele o perceba. Ele sente que seu dinheiro está rendendo menos, mas pensa que a culpa e de seu descontrole ou da inflação. Ao que leva essa ação de astúcia? A uma delapidação de ambos, pois a fonte é uma e o valor só troca de mãos sem nada acrescentar de positivo ao casal.

O Brasil. por mais incrível que possa parecer, prática uma política econômica bem semelhante a da mulher que rouba o marido. No caso o marido é o povo produtivo e a mulher é o pesado governo que ele tem que sustentar. Somos assim um país paupérrimo, onde não se tem segurança, educação e nem cobertura de saúde que satisfaça ou atenda ao povo, e tudo o quanto se faz é precário devido a falta de dinheiro e ao hábito de a mulher (governo) enfiar a mão no bolso do marido (povo) e o surrupiar. Porque do uso do termo “surrupiar”, é porque muitos dos impostos cobrados são disfarçados para passarem despercebidos, como se não existissem.

O resultado é que falta dinheiro ao marido depauperado pela esposa insana, e falta dinheiro a mulher que usurpa o que é do marido e gasta mal o que usurpa. Isto no caso do país, força o aumento continuado dos impostos e quanto maior a taxa menor e o valor arrecadado pois a produção é delapidada. Se gasta muito com a manutenção da burocracia para se arrecadar cada vez menos dinheiro. Se o governo brasileiro fosse um bom administrador poderia cobrar do povo produtivo uma taxa pequena de impostos o que permitiria que o produtor tendo mais recursos conseguisse produzir muito mais. Então, esta pequena cota de impostos arrecadaria muito mais dinheiro que a imensa e insana taxa que é hoje cobrada e consumida só para manter o sistema arrecadatório pesado. Se alguém dúvida disso é só olhar as economias mais prósperas e equilibradas do mundo e em especial a dos EUA e comparar os seus números. Eles usam sabiamente o lema: “Para cavalo comedor, cabresto curto”, e sabemos ser o governo um “cavalo comedor”.

Se o governo que é improdutivo, continuar insaciável em cobrar e gastar mal, e se insistir nesta política draconiana, aqui se cumprira o que diz o ditado: “de tanto ir o pássaro a fonte a fonte secou”. A política financeira voluptuosa do Brasil impede a prosperidade do produtor, pois cobra muito do contribuinte, sem em nada o ajudar e nada lhe devolver, impede com isso a produção e deixa o produtor mais perto da falência que da prosperidade. O governo tem que propiciar condições de progresso, financiamento e de prosperidade e crescimento aos produtores, pois são sócios na prática e assim deveriam se compor e se ajudar. Mas o resultado da política de mulher roubando o marido, significa a separação de leitos mesmo morando juntos, ou mesmo o previsível divórcio, que entre nós já ocorre hoje, e já está definida na Bíblia onde se lê: “Toda mulher sabia edifica a sua casa: mas a tola a derruba com as próprias mãos”, veja Pv 14: 1. O Brasil precisa mudar e se tornar urgentemente a “mulher sabia” que edifica a sua casa.

As únicas empresas que prosperam no Brasil são as que agem como amantes, que por serem cumpliciadas, não levam em conta a razão a ética e a decência, só o bem estar próprio e a usurpação, cooperam assim para a degradação da nação. Insistindo nisso o Brasil será eternamente o país do amanhã, mas na prática vivendo sempre como o pais do ontem.

claudio pinto

Pense: “Marido é mulher fieis e prósperos fazem uma família rica, unida, feliz e vencedora”. Nábulus, pensador cristão.

Anúncios

Foz do Iguaçu  p bl

O Brasil é um território abençoado, sem terremotos, vulcões, maremotos, tsunamis, tufões, furacões, ciclones, grandes secas, grandes desertos, áreas congeladas, etc. Em contrapartida, com riquíssima variedade biológica, solo fértil e muito rico, um dos maiores mananciais de água doce do mundo , grande variedades de vegetais e frutas, extenso e maravilhoso litoral, grandes florestas, muitas riquezas minerais, enfim, tem muito do que todos os países queriam ter e não tem, e tem pouco do que todos têm e que gostariam de não ter. É um território privilegiado por Deus e com todas as condições para ser rico e próspero e invejado em tudo.

Porém, se conta que: um dia todas as nações reunidas cobravam de Deus o Criador, o porquê de o Brasil ser um país privilegiado pela natureza em relação as outras nações do mundo, e achavam esse privilégio injusto. Deus então lhes responde dizendo: vocês acham isso injusto porque ainda não viram o tipo de “povinho ou gentinha” que vou colocar para habitar nessa terra. E essa anedota , embora imaginária, tem sido a grande e trágica realidade desta nação até hoje, fato que não lhe permitiu atingir seus sonhados ideais de prosperidade e grandeza.

Se o povo que habita este território, fosse desde o início agradecido a Deus pelas benesses recebidas sem merecimento, !Ts 5: 18, e fosse temente a Deus e amasse o próximo , Fp 2: 4, buscando o bem geral, ao invés do exercício do egoísmo e bem estar pessoal, e fosse menos “esperto” querendo levar vantagem em tudo, e tivesse um mínimo de patriotismo e de solidáriedade, Jo 15: 12, este talvez fosse o pais das maravilhas e do sonhos de todos. Seria o mais rico e próspero do mundo e em consequência, o mais adiantado em ciências, educação, nas artes, na produção de alimentos, e também social e politicamente o mais poderoso e invejado exemplo de todo o planeta. Tudo isso somente por ser um país temente ao Deus bíblico e como tal seguindo seus princípios morais e éticos.

Mas até hoje mantém o bordão de ser o otimìsticamente o “país do futuro que nunca chega”, e realisticamente um pais sem futuro devido a seu triste e corrupto passado que o puxa para trás. Tanto isto é verdade que o maior sonho dos jovens desse país é ter uma oportunidade de imigrar para outra nação onde possam se realizar na profissão e na vida, cooperando para o bem da humanidade e vendo a justiça social sendo feita e com isso reprovando a forma social, educacional e política que sempre se exerceu nesta terra abençoada por Deus, mas tornada uma maldição pelas ações deletérias de seus dirigentes e políticos.

Como brasileiro digo que o povo em grande parte é em essência bom, pacífico, solidário, mas conspurcado e desvirtuado pelos seus administradores, salvo rarars exceções, egoístas, interesseiros, sem solidariedade, individualistas, soberbos, vaidosos, exploradores, desonestos, mentirosos, sínicos, os quais têm, salvas as exceções, um triste e tenebroso histórico a comprovar isso, mestres em criar sempre muitas dificuldades para assim vender facilidades, deseducando o povo, e o mantendo ignorante, infelizmente, veja Pv 22: 6.

Que o Senhor na sua infinita misericórdia, nos perdoe o que somos como nação, e até a vinda de seu reino que é a única solução para todas essas coisas, conserve aqui mesmo em meio a iniquidade, um povo de fé, temente a Deus, virtuoso, cheio de amor ao próximo, solidário, fraterno, sincero, trabalhador, sábio, patriota, e que em união e unidade, tenha em grande destaque o ter caráter integro, honestidade e a gratidão, pois com estas três virtudes se manifestam todas as demais , pois elas são a base para todas, e seremos então um povo feliz e abençoado por nós mesmos, abençoados e abençoadores das demais nações, e o melhor, abençoado como povo por Deus, 2Cr 7: 14.

cláudio pinto pr

Pense: “E como nos ensinou Jesus em Mt 6: 10, repitamos a cada dia: “ Senhor, venha o teu reino”, que é um reino de justiça, paz e alegria no Espírito Santo, Rm 14: 17b.

Lei x Const bl

Deus fez uma lei sucinta composta por dez mandamentos ao quais ao se ler não pairam dúvidas sobre suas determinações. Não é preciso convocar especialistas para fazer entender o que significa, não matar, não mentir, não roubar, não produzir falsos testemunhos, honrar pai e mãe, amar a Deus, etc. E de uma clareza total e absoluta e de uma simplicidade descomunal. Mesmo a questão do sábado, tornada polêmica por idiossincrasia de alguns, é clara e límpida ao se examinar o contexto geral das escrituras com entendimento.

Mas o homem do mundo, que é um sistema político, religioso e social, alheio ao Criador, não aceita a lei de Deus, não a acata, não a respeita e nem a cumpre, como se ele homem fosse superior ou indiferente a ela, mas que lhe é inerente. Porém, esse mesmo homem, incumbido de fazer uma mera constituição para um único país, a faz deixando tantas dúvidas que é preciso se convocar um tribunal superior com muitos membros especializados e altamente instruídos e bem remunerados, para examinar o que ela quer realmente dizer!!! A simples leitura do texto não esclarece o seu contexto e deixa no ar mais perguntas que respostas para serem discernidas depois pelos especialistas.

Querendo ou não, o homem descrente, reconhece a sua inabilidade em obedecer e criar leis que o dirijam, com simplicidade e clareza e também sua incompetência para interpretar após, aquilo que fez tempos antes. É preciso um colegiado de altas patentes, para dizer o que se quis dizer, ao se dizer aquilo que não está claramente dito, e qual o seu real significado e sua intenção e espírito ao ter sido dito e escrito.

Pasmem! Para complicar mais ainda, ao ser analisada pelos experts do assunto, cada um tem uma interpretação particular do texto que difere do outro e gastam tempo tentando se harmonizar e se compor para definir um parecer comum. Fique-se acordado com um silêncio destes, como diz o ditado, ou como eu o interpreto, já que interpretar é um direito.

Porque o homem não aceita a lei de Deus? Porque ela é clara e fácil de entender e não dá nenhum subterfúgio para que se discuta, ou se escape dela, ou se obedece ou não se obedece, é só isso. O agravante é que essa lei traz consigo claramente também a pena, para crentes ou descrentes, e deixa claro ser esta pena eterna, e não sujeita a apelações, recursos, nem a questionamentos de tempo de duração muito comuns, ou como dizem os entendidos, discutir a dosimetria da pena a ser cumprida, pois está já definida com clareza perfeita, e “eterna!!!”

No caso da constituição a manipulamos conforme a conveniência do momento, nos a dirigimos, e definimos. Já na lei de Deus, não temos nenhuma autoridade mínima para interpretar ou mudar nada, ela é o que é. Se usássemos a lei de Deus como base de nossa constituição está sairia muito precisa e perto da perfeição, claro se resguardando ter sido replicada pelos homens na terra, fato que lhe dá grandes chances de conter erros e vícios humanos muito comuns.

Sobre a lei de Deus os homens do mundo a rejeitam, mesmo sendo perfeita, clara e simples. Sobre a lei feita pelos homens, Deus já deixou o seu parecer por escrito em Is 64: 6, gostem os humanos ou não de seu parecer. Por outro lado, a mais perfeita justiça humana foi quem condenou a morte por crucificação a um inocente, pois sequer havia um libelo acusatório contra o réu, Jesus Cristo, e sendo mesmo assim convocado indevidamente um tribunal que segundo os entendidos, consumou o maior erro judiciário da história, no mínimo, o mais famoso de todos os tempos.

cláudio pinto

Pense: “Dura lex sed lex” – a lei de Deus é justa e dura, e seu juízo é justo e dura eternamente. Nábulus pensador cristão

O jargão abandonado

O Jargão

Houve uma frase que por muitos anos foi repetida com ênfase e muita alegria por todos, em especial por políticos e meios de comunicação, ao constatar que independente de nossa competência ou não, ao final fortuitamente tudo acabava dando certo como por um milagre, fatos oportunos ocorriam e faziam que houvesse sempre uma compensação cobrindo os erros, omissões ou desmandos cometidos, as eventualidades salvavam a nação. E todos diziam “Deus é brasileiro” lembram?

O Brasil, colonizado pelos portugueses e catequizado pelos jesuítas, sempre foi tido como uma nação religiosa, católica em maioria e cristã em essência. Embora fosse uma nação laica, a maioria das escolas eram de origem religiosa e nelas se aprendia além de todo o currículo escolar a educação religiosa, e ainda se tinha aulas de educação moral e cívica que formava cidadãos com caráter que respeitavam à pátria, pai e mãe, família, mestres, e o próximo, via de regra. Nos tribunais haviam Bíblias sobre as quais se faziam juramento, e havia respeito pela fé e seus princípios sem que isto fosse uma lei, era só uma atitude de reverência a Deus, como sendo o supremo juiz e um Pai de família.

Hoje tudo mudou, e existe até uma oposição a todas estas coisas que por muitos séculos em nada prejudicaram a nação, ao contrário, como dissemos a abençoaram de tal forma, que levavam a crer que “Deus era brasileiro”, tais as maravilhas que cobriam a nação. Queremos lembrar que a Bíblia diz que: “E sabemos que: “Todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus”, Rm 8: 28, e Isso ocorria entre nós no passado, apesar dos erros éramos sempre abençoados, pacíficos, e tínhamos segurança e respeito.

“Deus é brasileiro”, esse era o famoso jargão que hoje poucos conhecem e poucos ousam repetir, um bordão que marcou a nossa história, pois parece que tudo se virou contra nós. Nada mais acontece que justifique se repetir esse mote, pelo contrário, tudo tem contribuído para o mal para que sejamos prejudicados. O que será que aconteceu? Deus mudou ou o país mudou? Sabemos que Deus nunca muda, Ml 3: 6, este é um dos seus atributos básicos e imutáveis. Porém, a mente do brasileiro mudou do vinho para o vinagre, hoje vigora o politicamente corrente, a intolerância, a descrença, o desrespeito aos credos, a hipocrisia o populismo barato, a mentira, a corrupção, o cinismo, a demagogia, etc. E as bênçãos se foram, vieram as dívidas, os prejuízos, o desprestígio, e até os fatídicos 7 a 1, lembram-se? Deus não é mais também brasileiro? não é isso, mas o brasileiro não respeita mais a Deus como antes.

Os dons de Deus são sem arrependimento conforme Rm 11: 29. Ele nada tira do que dá, mas nós podemos recusar as bênçãos e Ele nada perde com isso, só quem perde somos nós. Quem foi que mudou então? Podíamos ser uma das maiores nações do mundo e o que somos hoje? Deixamos a resposta para o raciocínio de cada um, lembrando o que diz a Bíblia em Gl 5: 7, “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo que o homem semear isso também ceifará”. Só estamos colhendo o que temos plantado nos últimos tempos.

cláudio pinto pr

Pense: “Deus não é mais brasileiro, ou os brasileiros é que não são mais de Deus?” Nábulus, pensador cristão

A prev do mal SHV

Voltamos a metáfora do livro de números treze, para fazer nova meditação do que ocorre em uma terra, a qual por um lado mana leite e mel, e por outro, os seus gigantes consomem continuamente os seus moradores. Estes moradores são os que fazem parte da massa produtiva e operosa da terra e a sustentam mesmo explorados de forma inclemente e só tendo direito aos deveres e nenhum direito aos direitos, ainda que constitucionais.

Trabalham a semelhança de escravos por cinco meses de cada novo ano, pois esse tempo lhe é confiscado pelos impostos escorchantes da terra, tanto os cobrados na fonte como os ocultos e embutidos até em remédios essenciais. Existem ainda os impostos cobrados em cascata, e as chamadas contribuições, tudo com a finalidade de manter a vida boa, nababesca e deliciosa, de políticos inescrupulosos e seus cooperadores diretos e indiretos. Estes são os “gigantes da terra”, que consomem os moradores dela e em reciprocidade não devolvem nem mesmo os seus direitos constitucionais e mínimos, como o direito a saúde, a educação e a segurança, com qualidade, e isso fazem diante de Deus que sempre abençoou esta nação.

Trabalhadores pagam impostos para ter saúde, mas na prática só a tem se tiverem caros planos particulares para serem atendidos com o mínimo de respeito, pagam pela educação, mas necessitam pagar escolas particulares para receberem o ensino e a educação devida, pagam para ter segurança, mas devido a insegurança reinante, tem que contratar serviços de segurança particular e até equipamentos especiais para esse fim. Na prática, o que isso gera está visível hoje, desemprego, desilusão e desesperança, pois pior que esperar de quem nada tem para dar, e esperar de quem muito tendo nada quer dar, só acumular, conforme Lc 12: 18 e 1Tm 6: 17 e 18. Porém, nada disto está oculto ao Senhor e ao futuro dia do juízo.

Após muitas décadas se perpetuando e agravando essa situação, temos o salário mínimo de hoje não atingindo o valor de um terço do que na sua origem deveria ser. Isso leva as mulheres e os filhos a terem que trabalhar mais para ajudar no orçamento familiar. O fato, além de afetar a vida familiar do povo, culmina com a geração de menos filhos nascendo, pelo custo e pelas tribulações diárias, o que explica parte da crise previdenciária de hoje, onde as novas gerações são menores e já não cobrem mais o ganho dos já aposentados desiquilibrando o sistema.

A Outra parte e o desemprego gerado pelas ações insanas de líderes populistas, somada a extrema corrupção reinante nas relações político empresariais, envolvendo as estatais, recheadas de gigantes amigos. Some-se a isso os altos e suntuosos salários pagos para a aposentadoria precoce e faustosa dos servidores improdutivos, que são os gigantes da terra, aos quais os mais pobres e a classe média, carregam as costas inclementemente. Está chegando na economia o dia de se cumprir o dito popular, que diz: “E tanto foi o Leão a fonte que a fonte secou”. Só resta aos trabalhadores, se descrentes, esperar por um milagre da natureza ou que surja um abominável salvador da pátria, pois não tem outra esperança.

Já aos crentes cabe orarem pedindo a vinda do reino de Deus e de sua justiça conforme ensinou Jesus em Mt 6: 9 a 15, que aniquilará o mal e com ele todos os gigantes deste mundo como fez Davi com o gigante Golias em 1Sm 17: 50 e 51.

Jesus, o qual já pôs o machado a raiz da árvore e que cortará toda a árvore má e que não dá fruto, Mt 3: 10, para que não ocupe lugar na terra inutilmente. Venha o teu reino e a tua justiça, Senhor Jesus, Mt 6: 33. oramos pedindo. Amém.

cláudio pinto pr

Pense: Entre ser árvore e ser o parasita que suga a sua seiva, escolha ser a árvore e dar a seiva, pois ao final as árvores permanecerão, são produtivas, e os parasitas serão extirpados.                bulus pensador cristão.

FFB 6 SH8 V

A Bíblia cita que Deus deu a Moisés uma terra que manava leite e mel, Ex 3: 8, mas que aos olhos dos espias, menos Josué e Calebe, era uma terra de gigantes e terra que consumia ou devorava a seus moradores, Nm 13: 32 e 33. Josué e Calebe, obedecendo à palavra de Deus, não se atemorizaram e foram a terra, e derrotaram a seus gigantes e ali estabeleceram a sua nação Israel, que sob a égide da lei de Deus deveria ser um reino de plena justiça.

Existe hoje uma terra como essa, que “mana leite e mel”, porém, com gigantes que consomem ou devoram os seus moradores? Sim, existe. Que terra no planeta e mais abençoada por Deus do que uma extensão existente desde o norte da América do sul, até o seu centro ocupando 48% de seu território em terras continuas e férteis? Veremos que é uma terra que mana leite e mel como dissemos.

Essa terra não tem abalos sísmicos intensos, não tem vulcões ativos, não tem grandes lagos, nem maremotos, nem tsunamis, não tem grandes desertos, nem áreas congeladas, nem tem ciclones, tufões, furacões, tornados, trombas d´agua, nem grandes secas, nem grandes inundações, etc. Por outro lado tem vasto território fértil, onde se plantando tudo dá, como disse o escriba do descobridor. Tem grandes florestas que são o pulmão do planeta, o maior quinhão de agua doce do mundo, riquezas naturais imensuráveis e não exploradas, subsolo riquíssimo, e podendo ser considerada pela sua abastança como sendo o “celeiro do mundo”.

Porém é uma terra de gigantes onde 10% dos mais ricos (gigantes) detém 42% de toda a renda do país, e onde existe a maior transferência de renda, dos mais pobres para os bolsos dos mais ricos e isto até na previdência social. Isto ocorre através dos impostos e contribuições, a carga mais elevada do mundo, e ainda dos famigerados “impostos escondidos” cobrados em toda sorte de mercadorias, mesmo em remédios essenciais. Tem ainda os juros mais altos do planeta que transferem a poupança do pobre e dos empresários ativos e produtivos para os polpudos bolsos dos banqueiros, que financiam as campanhas eleitorais dos “gigantes da terra”, que se perpetuam e nada devolvem ao povo explorado como benefício, pois aos olhos destes o povo não passa de meras imagens de insignificantes e desprezíveis “gafanhotos”. São os gigantes devoradores.

E o pior é que grande parte dos Josués e Calebes da terra, hoje convivem com esses gigantes não os afrontando e até cooperando com eles os apoiando ou mesmo imitando os seus procedimentos. Assim, essa terra agradece as bênçãos divinas que recebeu, consumindo dia a dia e crescentemente os seus moradores.

Provida de potencial para ser a mais poderosa nação do planeta, não passa de um “gigante adormecido e deitado eternamente em berço esplendido”. Uma nação do amanhã que nunca chega, um país do futuro ao qual nunca alcança, por ter no passado e estar no presente, mais preocupada em planejar em como se perpetuar a consumir e devorar impiedosamente a seus moradores do que a ser uma nação justa, e juntos nação e povo, prosperarem alcançando o seu grande destino. É uma terra simplesmente pungente e sem noção mínima de seu valor e poder, que se perpetua subdesenvolvida no egoísmo e na ambição pessoal cega.

Aos Josués e Calebes de hoje, que verdadeiramente temem a Deus e o obedecem, só resta a esperança e o perseverar na fidelidade e na oração pedindo a cada dia: “venha o teu reino Senhor”, como ensinou Jesus em Mt 6: 9. Um reino celestial onde vigora a justiça, a paz e a alegria no Espírito Santo, de Rm 14: 17, não a dos homens prevaricadores, mas a de Deus, coisas que os consumidos e devorados da terra, até hoje nunca conheceram. Venha o teu reino, Senhor Jesus, venha! Os justos perseverando em oração, te esperam.

cláudio pinto pr

Pense: “Aquele que ama e se deleita na injustiça, que tenha como prêmio no juízo, o direito de se auto consumir eternamente nela” Nábulus, pensador cristão

An Vn SH8 v

Primeiramente obrigado pela companhia em 2017 e um feliz 2018 a ti e aos teus e que possamos continuar juntos. A seguir, Um pouco de descontração, abraços.

Para que você possa renovar a sua vida no ano novo é preciso lembrar o que fez no ano velho, vamos lá, vou ajudar: você disse que iria fazer regime e perder aquela barriga, deposito de gordura nociva para o corpo. Fez o regime, ou empurrou com a gorda barriga para este ano? Iria cortar picanhas, massas, carboidratos, hanburger´s, pizzas, e todos os engordantes. Fez?

Prometeu comer verduras, tomar sucos verdes, comer frutas, beber 2 litros de água por dia, e privilegiar todo tipo de alimentos dietéticos. Claro, só não deu para começar na primeira semana, pois no início de ano é difícil, mas depois…..deu?

Você leu muito sobre alimentação saudável e decidiu até se preciso ser radical e se tornar um vegano. Talvez comer na macrobiótica, ou na vegetariana, quem sabe. Uma alimentação sadia obedecendo à orientação de um nutricionista e até, se preciso, de um livro sobre o assunto. É preciso evitar enfartes, colesterol, avc´s, e o ano novo é propício para isso. E aí, deu?

Você foi fundo e concluiu que: fazer regime só não adianta para emagrecer, é preciso também exercício, para que este auxilie o regime a ser benéfico para o organismo. O sedentarismo ajuda a acumular gordura e esse círculo vicioso tem que ter um fim. Você pensou em malhar numa academia, firmar a musculatura, por fim aos “tira gostos”, etc. Deu?

Bem para isso é preciso tempo, e você então se prometeu que iria correr todos os dias por no mínimo vinte minutos, claro fazendo antes um teste ergométrico e um exame médico para ver se está apto e para evitar problemas físicos. Comprou um tênis para atletismo, um calção adequado, meias próprias, e está tudo lá, guardadinho direitinho até agora? Quando você começar, saiam de perto….

Corrida não deu, mas no mínimo propôs que iria fazer uma hora de caminhadas todos os dias, ou ao menos quatro dias por semana, ou talvez três….ou meia hora por dia, quem saber 10 minutos três vezes ao dia? O excesso de trabalho impediu, a condução, as horas extras, tudo foi um tropeço para que você pudesse ao menos caminhar. tudo bem!

Ainda bem que está as portas um ano novinho, e ano novo, vida nova!!! você pode agora fazer tudo o que não fez no ano passado, em boto fé em você, agora vai ou racha, você é o cara. Pessoal esqueçam o social, agora comigo é o individual, se quiser falar comigo e só me acompanhar na corrida, nas caminhadas, etc…… pois o ano novo está me chamando!! No dia 02 eu começo.

cláudio pinto

Pense: Ano novo vida nova, se você está duvidando, me cobre no fim deste ano…ou… do outro…. abraços. Nábulus, pensador cristão

%d blogueiros gostam disto: